Por que o “Gato de botas” não é uma aberração da história – E o Loiras Pensar

De ce ”Motanul încălțat” nu e o aberație de poveste   Și Blondele Gândesc

Eu reler a história do “Gato de botas” e estremeci quando eu vi o que ele diz lá. Em suma, é sobre como o gato consegue através de vários truques e mentiras para enganar o rei que o seu mestre é um grande senhor, com riqueza e de terras, apenas para trazê-lo para o palácio, onde a filha do rei, para cair no amor com ele. É como uma história sobre como ser algo que você não está, como o fim justifica os meios e os subornos resolver tudo, meio que fixa as coisas que não queremos ensinar a nossos filhos. Ou deixá-los aprender, mas ASSIM NÃO.

Tenho evitado ler esta história para meu filho, por todas as razões acima. Até que eu li a explicação no livro “a Psicanálise dos Contos de fadas” de Bruno Bettelheim. (Um livro fascinante, apesar de não ser uma fácil livro, eu avisá-lo.)

Ele vai como esta: há certos contos de fadas amoral, quero dizer histórias moralizante, como é o Gato de Botas. Aqui, os personagens não são construídos clássico: seja bom, seja ruim, essas histórias não são sobre a vitória do bem sobre o mal, como acontece nos clássicos contos de fadas. (onde uma pessoa ruim, ou bom, uma irmã, é ser diligente e zeloso, o outro mau e preguiçoso, uma irmã é linda, as outras feias, etc.) O que eu gostei muito é a forma em que o autor explica sobre como a mensagem do conto de fadas é transmitida pelo fato de não que a criança compreende o conceito de bom/mau, mas porque gosta do príncipe. Ou princesa. Basicamente, ele se identifica com estes caracteres, para que ele se sente atraído.

Com a forma como a personagem é mais simples e mais direta, de modo que é mais fácil a criança identificar-se com ele e odeio os negativos. A criança é encontrada no positivo herói não a graça de sua bondade, mas a condição do herói que exala um positivo atração profunda sobre ele. A pergunta que colocar uma criança não é “eu Quero ser um homem bom?”, mas “quem eu Gostaria de ser”?

Como eu gostei muito deste! Tal como a vida! É o que precisamos nós mesmos, de bons exemplos em nossas vidas, é por isso que é tão importante para a escola que você for lá. Para as pessoas com as quais você se cercar. Eles são seus modelos, a criança modela o seu.

Em troca, os contos de fadas amoral não recorrem a esta polarização. Os personagens não são nem bons, nem maus momentos são bons, e ruins. O seu papel é complementar de um conto de fadas clássicos e secundários. Ter cuidado com o que: Porque ela dá à criança a esperança de que mesmo o mais fraco pode vencer na vida.

Por isso, é importante que essas histórias para ser apresentada mais tarde, depois que a criança sabe muito claramente o que é bom e o que é ruim, depois que você possa entender o que os personagens, como pessoas, são mais complexas, que ninguém é a única coisa alguma. Mas várias coisas.

Essas histórias (como Jack e o pé de feijão) não são baseadas na moralidade, mas sim para garantir que a criança que, para cada indivíduo, há uma chance de sucesso na vida. Caso contrário, ele pode pedir em algum ponto, o que você usa para ser boa, se você não pode fazer nada com isso?

E outra questão importante é que, se o indivíduo “enfrentar a vida acreditando que você pode lidar com todas as dificuldades ou, pelo contrário, esperando para ser sempre derrotado.”

O livro “a Psicanálise dos Contos de fadas” pode ser encontrado . E se você gostar, deixe-me dizer-lhe que eu continuo lendo?

Variações sobre o mesmo tema

Releated Post